image-5Hoje em dia podemos resumir como sendo um escritório compartilhado. Na ideia original, tratava-se de escritórios abertos por profissionais do setor de tecnologia da informação para que outros colegas lá trabalhassem, criando ambientes colaborativos e sinérgicos. Tudo nasceu em São Francisco, EUA, em 1999.

Como é comum com novas palavras e expressões, ao longo do tempo o termo coworking foi abrigando variações de negócios. O que era uma sessão gratuita de espaços passou a ser paga. Com a necessidade de clientes, profissionais de outros setores passaram a ser admitidos, o que foi tirando muito do potencial de colaboração e sinergia. E foram sendo agregados vários serviços aos usuários.

Hoje, ainda que existam espaços de coworking que lembram os originais, são minoria. Lembram essa fase apenas o fato de ainda ser muito forte a presença de jovens em início de carreira e que se dedicam a atividades baseadas na Internet.

ESCRITÓRIOS COMPARTILHADOS

O coworking hoje é muito mais um cooffice, termo ainda não empregado pelo setor. Em português, dizemos escritório compartilhado. Ou seja, o escritório é compartilhado, não o trabalho em si. Não existe uma colaboração direta entre os usuários de um mesmo espaço.

Então, qual a utilidade dos escritórios compartilhados?

Basicamente, a redução dos custos de manutenção de um escritório. Um escritório convencional exige gastos com:

  • Aluguel
  • Condomínio
  • Atendente
  • Café
  • Limpeza
  • Segurança
  • Internet
  • Mobiliário
  • Manutenções
  • Taxas
  • Impressoras e tinta

Ou seja, abrir e manter um escritório exclusivo exige um investimento inicial e custos mensais que muitos negócios não conseguem pagar. Ou que não justificam ser pagos pela baixa utilização.

QUEM É O USUÁRIO CLÁSSICO DE ESCRITÓRIOS COMPARTILHADOS?

Fundamentalmente pessoas que seu negócio demanda pouca presença em um escritório, seja por ser baseado na Internet, podem trabalhar de casa, seja por que tem baixo volume de utilização do espaço próprio.

É para essas pessoas que os escritórios compartilhados se mostram uma excelente opção. Elas podem gastar uma fração do custo de um escritório próprio ao pagarem apenas pelo que utilizam.

O que as pessoas mais utilizam em escritórios compartilhados é:

  • O endereço comercial;
  • O endereço fiscal, que é o exigido pelas prefeituras para emissão de alvará de funcionamento;
  • As salas de reunião para encontro com clientes quando isso não dá para ser feito em casa;
  • Serviço de atendente de telefone.
  • Sessões de trabalho conjunta com colegas quando seu escritório residencial não oferece as condições adequadas.

LOCAÇÕES TEMPORÁRIAS

Outro grupo que se beneficia muito de escritórios compartilhados são pessoas envolvidas em projetos temporários, ou seja, que precisam de escritórios por um tempo determinado. Entram no dia que precisam e saem no dia que não precisam mais. O caso mais clássico é o de empresas que pegam um grande serviço, mas temporário. Em vez de montarem uma estrutura própria, locam espaços por um dado período.

COMO SABER SE É UMA BOA OPÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO?

É só fazer contas, de tempo e dinheiro.

Em relação ao dinheiro, estude um plano que atenda sua demanda por escritório. Se ficar mais barato que ter uma estrutura própria, ou igual, vale a pena.

Mas o tempo é tão importante quanto o dinheiro, pois tempo é dinheiro. Não ter que gerir um escritório conta muito. E pense no deslocamento do dia a dia. Se você der a sorte de ter uma boa opção perto de casa, as vantagens são enormes.

Está pensando no assunto? Visite alguns sites de escritórios compartilhados.